Papo de Preta

Você é negra? – Carta aos Racistas

27 de junho de 2017

Sou negra sim, pele escura, cabelo crespo, lábios carnudos, nariz grande e humana assim como você, caminho me visto e luto como você. Não temos tantas diferenças a não ser uma: Seu povo não foi escravizado por anos, seus ancestrais não levaram chicotadas nas costas e nem eram objetos apenas para o trabalho, o povo branco não lutava para ter liberdade. Não estou dizendo que os brancos são horríveis por isso, mas os racistas, independente de quem ou como sejam, são. Entendam, todos no passado e hoje sofrem em algum momento mas em especial estou dizendo sobre a ESCRAVIDÃO coisa que uma pele branca nunca passou.

Sou negra e se tivesse nascido aquela época seria apenas uma escrava e não estaria me expondo como agora.

Meus ancestrais sofreram e morreram pela minha liberdade. E agora você simplesmente quer que eu aceite brincadeiras sobre a cor da minha pele e meu cabelo? Quer que eu compreenda quando alguém me olha ou me trata com algum tipo de indiferença? Quando pedem para que eu alise o meu cabelo, ou seja, que o ferro que por muitas vezes queimou meu bisavô escravo, queime as minhas raízes agora? Meus ancestrais lutaram e morreram pela minha liberdade, para que hoje eu tenha que assistir um dos meus sendo arrastado pela rua como lixo? Para que o índice de mortes dos negros sejam bem maiores que os dos brancos? Para que muitos sejam julgados sem ter direito de se defender? Não, meu bisavô não conseguiu a liberdade abaixando a cabeça para o mundo e é por isso que digo.

 Meu povo morreu para que eu tenha liberdade, de expressão, de vida, de se vestir como quiser e de deixar meu cabelo como me agradar. É da onde eu vim, do sangue de escravo e Índia, é por eles e todos o que vieram antes de mim que não vou me esconder atras de padrões de beleza. Eles sofreram demais para  que eu no mínimo possa dizer o que penso.

 Meu povo sofreu demais para me mostrar e me fazer acreditar que mesmo sendo escrava desse sistema corrupto e AINDA preconceituoso, mesmo levando  chicotadas da sociedade por não poder me aceitar como sou, por ainda sair como um produto na mídia. Ainda assim, fui feita da guerra, do choro e da esperança, fui feita independente da minha cor para conquistar meu espaço, para mostrar que posso ser mais, para dizer que, por eles, por mim e por todos que não vê diferença em preto, branco, azul ou amarelo, que fui feita para vencer.

O seu racismo não vai bloquear a minha vontade de crescer!

Você Também Pode Gostar De